Protocolo HSN: Destruindo a gordura (IV)


Para esta terceira parte eu quis reservar um dos aspectos mais importantes do protocolo, onde graças a ele, conseguimos reduzir de 10% de gordura: Para aqueles que não sabem que é a gordura marrom é um tipo de tecido no qual se produz um gasto importante para manter a temperatura corporal. Graças a este trabalho, vamos aumentar em grande medida o nosso metabolismo basal, ajudando a queimar mais calorias em repouso, de fato, a relevância deste tecido é tal, que um aumento de 50g se torna o responsável por 20% da despesa metabólico2, enquanto que uma diminuição da termogênese, está associada com uma das principais causas de obesidad1. Mas também é um tecido adiposo, como a gordura corporal que todos conhecemos, a função de ambos é totalmente diferente. A gordura branca (os famosos barriga), é a que queremos eliminar, age como se de um órgão habláramos: liberando hormônios e aumenta os níveis de citocinas que darão lugar à resistência à insulina e, portanto, obesidad3, 4. Infelizmente, a maioria de nós não tem níveis elevados de gordura marrom", já que ocorre principalmente em bebês. No entanto, existem mecanismos para elevar esta gordura marrom " uma vez somos adultos, onde vou centrar-me na mais efetiva: O frio. Como podemos ver neste gráfico, à medida que aumentamos a temperatura, a prevalência do tecido adiposo pardo diminui, já que o mecanismo para manter a temperatura corporal estável em um meio quente é muito mais "barato" do que em um meio frio, graças a mecanismos como a transpiração. Como comentei antes, no gráfico B, observa-se que à medida que envelhecemos, os nossos níveis de gordura marrom vão diminuindo, chegando a cair mais da metade em indivíduos com mais de 64 anos. Com o comentado anteriormente, nós fazemos uma idéia de qual é o principal fenômeno para aumentar a nossa gordura, o frio. Quando submetemos o corpo a baixas temperaturas ocorre um aumento deste tipo de gordura, chegando a aumentar em cerca de 96% das pessoas expuestas17. Observem no gráfico abaixo, onde vêm a maioria de genes e proteínas expressas que têm relação com a gordura corporal, a maioria delas encontram-se expressas em maior medida quando estamos submetidos ao frio (Cold), em comparação com uma temperatura comum (22ºC). Eu gostaria de enfatizar o efeito que tem sobre a gordura subcutânea (Gráfico B). A irisina é um hormônio que é liberado com o exercício e que ajuda a etapa de gordura branca em gordura marrom, através de um mecanismo mediado por PGC119. Como veremos a seguir, a combinação de gordura marrom altos níveis de adrenalina e noradrenalina liberados durante o exercício, vai marcar um ponto estratégico para a hora de baixar esse 10% de gordura. Quando comecei com o protocolo me chegavam dezenas de perguntas sobre como perder essa gordura de anos!, ou o último passo para terminar de olhar uns abdominais... A verdade é que vou vender nenhuma moto, o mecanismo para conseguir eliminar esta gordura rebelde é realmente difícil, tendo que recorrer à ajuda do sistema simpático e substâncias que mimetizam o efeito (falarei deles na quarta e última parte do protocolo). Das ações do sistema simpático (margem direita da imagem) o que nos vai interessar é o aumento dos níveis de adrenalina por parte da glândula supra-renal, já que vai agir sobre os receptores ? e ?, dois receptores que se encontram na maioria dos tecidos, incluindo o tecido adiposo (gordura comum). Em nossa gordura corporal existe uma relação entre os receptores alfa e receptores beta, onde as áreas de gordura que mais custam eliminar tendem a alfa, sendo um fator desencadeante para o aumento de tamanho da gordura e, portanto, de obesidad7. Entre os fatores que mais tendem a controlar estes receptores alfa são os estrogênios (hormônios femininos), é por esta razão que as áreas que mais receptores alfa têm as mulheres (como podem ser quadril) têm uma menor lipólise*8. *Lipólise: Processo metabólico pelo qual se degrada a gordura para ser usada pelas células. Embora existam várias formas de elevar as concentrações de catecolaminas há dois que são realmente fáceis de conseguir: Quando submetemos o corpo a uma privação de alimentos durante várias horas, ocorre uma elevação dos níveis de catecolaminas11 como mecanismo de resposta por parte do organismo para procurar uma fonte de energia. Curiosamente, esses níveis elevados de catecolaminas defendem o músculo da perda de proteína durante o jejum, pelo menos nas primeiras 48-72h. Estes níveis elevados de adrenalina e noradrenalina actuam a nível do tecido adiposo, onde dependendo do sexo terão preferência de acordo com a área. Tal como mostra o gráfico, os homens, temos um maior número de células na zona abdominal (E=Epigatrico) e as mulheres na área do glúteo (G) e femoral Com o aumento das catecolaminas, o que vamos obter é o de aumentar a lipólise em áreas onde há menor fluxo sanguíneo, facilitando a perda de gordura. Com isso não quero dar a entender que é possível perder gordura de forma localizada, apenas vamos dar um impulso e favorecer a utilização das reservas corporais, o que treinamentos pontuais em jejum ajudá-lo a melhorar a sensibilidade à insulina (hormônio muito influente no tecido adiposo) e a uma maior expressão de UCP-3. Devemos entender que o nosso organismo não entende de rotinas ou treinos, apenas cumpre os requisitos para manter a salvo o nosso organismo. O que significa isso? Pois quando realizamos um sprint durante um HIIT nosso corpo não pensa "ok, só está treinando, não há perigo", ao contrário, o toma como um sinal de alarme para o stress a que está sendo submetido o organismo, aumentando a secreção de hormonas relacionadas com o stress e com a regulação de fluidos corporais para manter a homeostasis13. Com este exercício de alta intensidade, vai aumentar a atividade simpática liberando uma grande quantidade de terminações nervosas que atuam diminuindo a sensação de hambre15 e sobre o tecido adiposo, chegando até mesmo a gerar um stress no sistema nervoso, chegando a produzir danos nas células hepáticas (hepatocitos14). A razão pela qual é tão importante esta elevação de catecolaminas com o HIIT é porque aumenta a utilização da gordura como combustível, uma vez terminado o ejercicio16. Mais massa muscular e menos gordura visceral, graças à atividade das catecolaminas(adrenalina e noradrenalina) Como pudemos observar, aumentar o tecido pardo através do frio ou favorecer o passo gordura branca?gordura marrom, através do exercício de alta intensidade nos ajuda a aumentar o metabolismo basal, além de aumentar a perda de gordura em áreas que mais nos custa. A atividade alfa e beta-adrenérgica já estudada na obesidade é um pilar fundamental para a luta da gordura rebelde, onde se tomamos as precauções adequadas e não abusamos, dão resultados muito notáveis. A sinergia produzida por ambos os fatores se dão tanto em pessoas com obesidade como em pessoas com um % de gordura adequada, no entanto, no primeiro grupo, devemos ter cuidado com a atividade sobre os receptores beta-adrenérgicos, já que devemos lembrar que atuam na maioria dos tecidos, o que neste grupo que possuem alterações metabólicas a nível de glicose e pressão arterial deve-se ter mais cuidado. Espero que tenham gostado do artigo. Um abraço a todos. Parte 3 Parte 5