Como tratar a disfunção sexual em suas relações


Você tem problemas para manter relações sexuais satisfatórias com o seu companheiro e não sabe qual é a solução mais eficaz?, tanto o homem como a mulher podem sofrer de disfunção sexual em algum momento de sua vida, desde o nosso blog de Saúde-vos temos as possíveis causas, tipos e tratamentos para ambos os grupos, quereis conhecê-los?, então continue lendo. Os problemas psicológicos, a ansiedade, a depressão, o medo, a indiferença, o casal ou a falta de interesse são algumas das principais causas que poderiam explicar os problemas para desfrutar de umas relações prazerosas ao lado de nosso parceiro. Disfunção sexual na mulher A despeito do que possamos pensar a respeito, os homens não constituem o único coletivo que experimenta este tipo de dificuldades, uma vez que diversos estudos dizem-nos que a percentagem de população feminina é tanto ou mais que a masculina neste domínio. Como afeta a disfunção sexual nas mulheres Por um lado, temos que lembrar os percentuais que contribuiu com a Associação para a Investigação das Disfunções Sexuais na Atenção Primária, confirmando que 50% das mulheres tem grandes dificuldades para chegar ao orgasmo, 25 % nunca consegue, vivendo ao lado de seu parceiro, sem chegar a saber o prazer que uma relação destas características lhe poderia fornecer, e 30% das mulheres afirma que não se interessar por este tipo de experiências. Não nos esqueçamos de que todos estes problemas aumentam sobremaneira entre os 45 e os 54 anos de idade, situando-se em 25% a quantidade de mulheres que se mostram insatisfeitas com sua vida sexual, em frente ao esmagamento 40, 8% para os maiores de 55 anos. Tipos de disfunção sexual na mulher No caso específico da mulher, provavelmente, a falta de desejo é um dos principais tipos de disfunção feminina. Suas causas não são apenas a nível psicológico, também podem ser causados por doenças como a diabetes, distúrbios hormonais, intervenções cirúrgicas, momentos pontuais, como a gravidez, amamentação, ou a menopausa, ou mesmo pelo stress, mudanças nos métodos contraceptivos, ou consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Outro tipos de disfunção sexual em mulheres guardam relação com os problemas de excitação durante a menopausa, coincidindo com a diminuição dos níveis de testosterona no sangue, assim como a dor durante o coito, também conhecido como dispareunia, gerado por doenças inflamatórias da pelve, síndrome do intestino irritável, infecções de transmissão sexual, cistos no ovário ou, simplesmente, por falta de lubrificação. Neste último ponto, também podemos falar de vaginismo, que normalmente costuma ser diagnosticada em idades precoces. Falamos da contracção, à margem de nosso próprio desejo, de vários músculos que se encontram em torno do exterior da vagina, impedindo que possa ser penetrada e iniciar as relações sexuais. Vida sexual complicada na mulher Os peritos consideram que a mulher tem uma vida sexual muito mais complicada a nível psicológico e emocional que o homem, por não falar de que, embora não tenha consciência disso, deixa-se influenciar de maneira considerável as mensagens sociais e culturais que a rodeiam. Neste sentido, determina-se, seguindo com esta abordagem, as mulheres ainda mostram, em linhas gerais, um certo temor na hora de viver a sua masturbação com naturalidade, ao contrário dos homens, o que termina por provocar um grande desconhecimento de seu próprio prazer sexual. Enquanto isso, a mulher tem recebido constantemente uma mensagem negativa, com relação ao desfrute de sua sexualidade, não assim no caso do homem. Tratamentos para a disfunção sexual na mulher Os especialistas estimam que os problemas relacionados com o sexo, no caso de a mulher se devem a elementos físicos e/ou emocionais, pelo que será necessário tratar a condição médica específica que está influenciando em todas as complicações que são vistos em meio as nossas relações sexuais. Os problemas físicos a tratar estão relacionados com os desequilíbrios emocionais, fluxo de sangue insuficiente ou tensão muscular. Quanto aos psicológicos, podem ser tratados com terapias que ajudem a resolver os problemas de comunicação com o parceiro, os derivados do stress ou traumas sexuais. Disfunção sexual no homem Por outro lado, no que diz respeito ao sector masculino, a impotência ou disfunção erétil é um problema que afeta, segundo dados oficiais, por 19% dos homens, no nosso país, de idades compreendidas entre os 25 e os 70 anos, sendo um total de mais de dois milhões de homens que apresentam esse problema. Com o passar do tempo, tal disfunção está em alta, que atinge 14% dos homens entre os 40 e os 49 anos, 25% no caso dos homens entre os 50 e 59 anos, e 49% no caso das idades compreendidas entre os 60 e os 69 anos. As causas da disfunção erétil podem ser de diversos tipos, como acontece no caso analisado antes da mulher. Hás de lembrar-se que o pênis está formando uma espécie de duas colunas de tecido erétil conhecidos em sua linguagem mais técnica, como corpos cavernosos, responsáveis consegue a ereção, além da uretra, canal por onde se vai acabar expulsando a urina. Este tecido antes citado, durante o processo de ereção se enche de sangue, aumentando o tamanho do membro viril e tornando-o mais resistente. O problema surge quando o sangue não entra de maneira correta no espaço antes mencionado, provocando sérias dificuldades para conseguir a ereção. Tipos e tratamentos para disfunção sexual no homem Ao igual que no caso da mulher, do homem, também podem ocorrer problemas psicológicos, bem como orgânicos. Neste último caso, podemos falar de um tipo de disfunção vascular, que faz alusão à diminuição da chegada de sangue ao pénis como se comentou em linhas anteriores, e cuja causa pode estar relacionada com a diabetes, aumento do colesterol, tabagismo, doenças cardíacas e hipertensão. Também, pode ser a nível hormonal, quando ocorre um menor nível de testosterona, o uso de certos medicamentos ou, até mesmo, a nível neurológico, no momento em que encontramos problemas de transmissão de informações que a medula espinhal e o cérebro enviam para o pênis. A nível piscológico, no caso do homem, o medo de não estar à altura e conseguir a ereção para uma relação satisfatória, a ansiedade ou problemas com o casal pode encontrar a sua explicação. Nestes casos, o melhor tratamento é um aconselhamento psicológico e contar com os serviços de um profissional para reduzir a tensão que se vive no casal. Em relação aos tratamentos existentes, podemos falar de um método de substituição de testosterona no caso de que a disfunção seja hormonal. Em caso de ausência ou escassez deste tipo de hormônios, existe um método que nos ajudará a administrar em forma de gel ou através da injeção. Os pacientes, por sua parte, que apresentam certos riscos vasculares, é de vital importância tratar determinados fatores, como o colesterol, a diabetes e o tabaco, para evitar o fato de que desencadear doenças graves, como a arteriosclerose ou acidentes vasculares cerebrais. No caso, finalmente, de uma disfunção do tipo arterial, podemos realizar um eco-doppler peneano no intuito de determinar se é necessário empreender uma microcirurgia de revascularização peneana. Como melhorar a sua vida sexual? Segundo informa a clínica EuroClinix a escolha de um tratamento eficaz e adequado ao seu estado de saúde pode pôr fim a esses problemas de ereção. Líder no serviço de saúde integral ao paciente com entrega a domicílio, a clínica médica online EuroClinix possui uma vasta experiência no sector, o que dá conta de seu profissionalismo e confiabilidade. Emitidos por laboratórios de referência, como Lilly ou Bayer e conhecidos, por uma atenção muito próxima com o paciente, a clínica especializada na saúde sexual, se aproximam tratamentos médicos para problemas como ejaculação precoce, a contracepção, a obesidade ou a deixar de fumar. Além disso, se aconselham para qualquer dúvida que tenha em relação ao colesterol elevado, hipertensão arterial , obesidade ou diabetes. No caso concreto da impotência, seja um problema transitório ou crônico, se aproximam tratamentos de qualidade onde você poderá adquirir pastilhas específicas para essa patologia, com receita médica, como é o caso de Cialis, Viagra, Levitra ou Spedra. No caso do Viagra, hás de lembrar-se que seus efeitos duram até 4 horas no organismo, devendo ser tomado uma hora antes de manter relações. Por sua parte, Levitra, fabricado pela Bayer, é conveniente tomar cerca de 30 minutos antes das relações, permanecendo ativo até 5 horas. É indicado para pacientes com hipertensão ou diabetes. Com Spedra, por outro lado, será capaz de alcançar ereções firmes e duradouras, e, igualmente, recomenda-se seu consumo em meia hora antes. Finalmente, Cialis, conhecida também como a " pílula do fim-de-semana, é muito semelhante ao do Viagra, com uma duração de até 36 horas. Uma vez passados os efeitos do anterior, só se pode tomar um comprimido. Chegou o momento de que o prazer voltar a vossas relações, e você pode desfrutar com toda a intensidade de seu parceiro, demonstrando todo o amor e carinho que lhe professas cada novo amanhecer. O Conocíais os serviços de EuroClinix?, já vos ajudaram a resolver os vossos problemas sexuais?, como foi a vossa experiência?