Como afeta a menstruação a gordura corporal?


Analisando meu histórico de artigos em HSNstore (que cada vez tem mais repercussão graças a vocês) me dei conta de um detalhe: faz tempo que não escrevo um artigo para o sector feminino. Por esta razão, decidi escrever sobre um tema que muitas me preguntades e de que há pouca informação. Este não é outro que mudanças corporais durante a menstruação. Como sempre faço com os meus artigos, eu gosto de começar esclarecendo conceitos básicos sobre hormônios e depois ir se aprofundando. Obviamente, este artigo não ia ser diferente. A primeira coisa que você deve entender é que tanto a composição como a distribuição de gordura variam de acordo com os hormônios sexuais. Desta forma, observamos que as mulheres tendem a armazenar mais gordura na região dos quadris pela presença de hormônios sexuais femininos ou outras como o hormônio luteinizante (LH), responsável pela ovulação. Em alguns casos, as mulheres podem ter maior quantidade de gordura abdominal por um aumento dos níveis plasmáticos de total de E2 e uma relação de andrógeno / estrógeno mais baixa no plasma, possivelmente devido a um aumento de aromatização(1). Também entram outros fatores, como a maior presença de receptores alfa (que dá lugar a um maior armazenamento de gordura") ou menor quantidade de beta (maior facilidade para tirar a "gordura" da célula), mas isso só tocar em outro momento. Outro fator, é da idade da pessoa, por isso que as mulheres jovens têm maior quantidade e o tamanho dos adipócitos (lembre-se, célula onde armazenamos gordura) do que os homens, onde à medida que envelhecemos, a situação se torna contrária, tendo mais gordura que os homens (2). Isso nos leva à conclusão de que as mulheres jovens (idade fértil) vão ter uma disposição e armazenamento de gorduras, bem diferentes das que já passaram da menopausa. Apesar de existirem mecanismos para armazenar gordura na célula (insulina e ASP), neste artigo vamos nos concentrar em ASP. Por se alguma fica com a curiosidade, a resposta é sim, as mulheres respondem de forma diferente aos homens quando falamos de insulina, sobretudo a nível dos glúteos e abdômen (3). Para aqueles/as que não sabem que é o ASP, é uma proteína que se encarrega de armazenar os triglicerídeos sintetizados no adipocito, ou, em outras palavras, aumentar a nossa gordura corporal. ASP não precisa de insulina para funcionar, basta uma dieta alta em gorduras para isso (daí que as dietas cetogénicas possam nos fazer engordar se passamos de calorias, mas é certo, que ASP eleva os níveis de insulina (4). Curiosamente, os níveis de ASP são mais elevados em mulheres que em homens (5), por isso que "eles" vão ter maior retenção de gordura subcutânea que "eles". Os níveis de ASP não são fixos e variam durante o ciclo menstrual (6), aumentando a sua concentração durante a ovulação: Seguindo um padrão muito semelhante à da progesterona: Não é de admirar, pois, que exista uma relação entre ASP e progesterona. A progesterona tem efeitos negativos, como podem ser a resistência à insulina (hiperinsulinemia), estimula o armazenamento de gordura e a degradação proteica a nível muscular(7). Índice progesterona/estradiol Em resumo, temos: De acordo com alguns estudos, as mulheres são mais propensas ao "pouco saudáveis" que os homens (10), algo que se acentua com a mudança hormonal da menstruação, consumindo mais de 10% de calorias extras durante essa fase (Buffenstein et al). Quando os níveis de estrogênio estão elevados, a ingestão calórica é mais baixa (Czaja