Alimentos Orgânicos x Alimentos Convencionais


Por um lado, você tem uma maçã cultivado de forma convencional. Por outro lado, uma maçã orgânica. Os dois maçãs são firmes, brilhantes e de cor vermelha. Ambas fornecem vitaminas e fibras, e ambas estão livres de gordura, sódio e colesterol, mas o preço do orgânico é mais caro. Em que se diferenciam? O termo "orgânico" tem que ver com os métodos utilizados para o cultivo e processamento de produtos agrícolas – frutas, legumes, cereais, carnes e produtos lácteos. Entende-Se por alimentos orgânicos, aqueles produzidos sem o uso de fertilizantes e pesticidas químicos, ou, no caso de produtos animais, sem o uso de hormônios e antibióticos. Além disso, devem ser processados sem radiação ou aditivos químicos e não podem ser obtidos a partir de organismos geneticamente modificados. O objetivo de tudo isso é evitar que essas substâncias químicas e aditivos se escoe em alimentos, o que, finalmente, chegam ao organismo das pessoas que consomem esses alimentos. Os defensores da agricultura biológica também afirmam que seus métodos permitem o desenvolvimento de mais nutrientes no solo, o que, em teoria, deve aumentar o conteúdo nutricional dos alimentos cultivados organicamente. A ciência verifica-se que os alimentos cultivados de forma orgânica são mais ricos em nutrientes? Uma meta-análise de mais de 237 estudos realizados sobre os alimentos orgânicos vs convencionais levados a cabo na Universidade de Stanford, concluiu que os alimentos orgânicos não eram mais elevados os valores dos nutrientes que suas contrapartes não-orgânicas. Os resultados não mostraram diferenças no conteúdo nutricional de ambos. Todos os estudos foram realizados com humanos, mas nenhum deles, segundo dizem os cientistas, durou mais de 2 anos, motivo pelo qual não é possível obter conclusões sobre o impacto a longo prazo. Os resultados apoiam os resultados de outra pesquisa realizada em 2009 pela Agência de Padrões Alimentícios (FSA) do Reino Unido sobre as alegações da indústria de produtos orgânicos. Esse estudo constatou que, se existiam algumas diferenças nutricionais em nível de nutrientes de alimentos orgânicos e convencionais, mas que não eram grandes o suficiente para ter uma relevância para o público. O estudo chegou à conclusão de que os produtos orgânicos, continham acima de tudo, níveis mais altos de fósforo que os produtos convencionais, mas, segundo afirmaram os pesquisadores, é um dado que não trará nenhum benefício a saúde, já que este mineral é obtido em quantidades suficientes através da alimentação diária. Logicamente, os ambientalistas não estão de acordo com os resultados do estudo. Há muitos estudos que afirmam que os produtos orgânicos são mais nutritivos. Além disso, existem outros estudos que comparam alimentos frescos (orgânicos e convencionais) e que demonstram que os orgânicos têm maiores concentrações de oligoelementos, minerais e vitaminas. Além disso, conservam-se melhor, duram mais tempo em bom estado e se definhando de forma diferente Um estudo realizado em 2010 por cientistas da Universidade do Estado de Washington, encontrou morangos orgânicos têm mais vitamina C e antioxidantes que as fresas convencionais. Tomates orgânicos têm mais de um tipo de antioxidante chamados polifenóis que os tomates cultivados comercialmente, de acordo com um estudo publicado em julho por cientistas da Universidade de Barcelona. No entanto, outras variáveis, como a maturidade, podem influenciar o conteúdo nutricional. Um pêssego ou baga que atinge seu pico de maturidade, com o uso de pesticidas podem conter muitas vitaminas que uma fruta menos maduro cultivada de forma orgânica. Assim, a ciência sobre a questão de saber se são mais nutritivos que os alimentos orgânicos está longe de ser definitiva. O que se pôde constatar é que os orgânicos têm 30% menos chances de conter pesticidas do que os alimentos convencionais, um fator que há que ter em conta, apesar de que todos os produtos vendidos nos supermercados contém níveis de resíduos acima dos limites saudáveis. Além disso, há outros motivos para comer alimentos orgânicos, já que se conservam melhor, em alguns casos, tem melhor sabor e, além disso, são menos agressivos para o meio ambiente e os animais. Ao igual que com a seleção de qualquer alimento, há que pesar os prós e os contras e decidir por si mesmo quais parecem ser a melhor opção para você e sua família. Como identificar os produtos orgânicos nos mercados? Todos os produtos orgânicos que são vendidos devem ser certificados e é importante que o consumidor saiba reconhecê-los. Em Portugal, para estar seguro de que um produto foi classificado como orgânico, deve buscar a certificação da União Europeia, que é um retângulo verde com doze estrelas que formam a silhueta de uma folha. Dicas na hora de comprar alimentos orgânicos 1. Verifique que a embalagem dos alimentos tenha o selo da UE, ou o seu equivalente em seu país. Este selo garante que, no caso dos alimentos processados, pelo menos, 95% de seus ingredientes foram produzidos organicamente. No caso das frutas e legumes, o selo da UE garante que são alimentos 100% orgânicos. 3. Se você vai comprar produtos orgânicos de pequenos produtores, como os agricultores locais, que não têm a obrigação de ter uma certificação, você pode falar com eles e pregonarles os procedimentos que utilizam para cultivar ou processar seus produtos. 4. Existem outras palavras que se usam para referir-se aos alimentos saudáveis que podem confundirte na hora de comprar um alimento. Se você já se encontrou com os alimentos que na sua etiqueta colocam "naturais" ou "sem hormônios", não têm por que ser alimentos orgânicos. Quando adquirir alimentos orgânicos dever especificar que é orgânico. Espero que este artigo te ajude a ter uma idéia mais clara do que deve ter em conta na hora de comprar alimentos orgânicos. Lembre-se que se você não pode ou decidir não comprar alimentos orgânicos, perfeitamente, você pode ter uma dieta nutritiva comprando alimentos saudáveis e frescos.